sábado, 7 de maio de 2011

Lembrança

'Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo' (Adriana Falcão,
Mania de Explicação)




Primeiro, gostaria de pedir desculpas às minhas duas fieis seguidoras, Ritinha e Simone. Vocês vão entender muito pouco da postagem de hoje. Essa noite me deu um surto de saudade de Viçosa que me obrigou a escrever. Viçosa é uma cidade na Zona da Mata mineira também conhecida como Perereca. Lá se situa a Universidade Federal de Viçosa, onde eu tive o prazer de passar 4 ótimos anos da minha vida até concluir minha graduação. Claro que vocês também estão convidadas a partilhar um pouquinho da nossa vida louca por la, mas se não entenderem bulhufas, é porque so quem esteve la mesmo pra relembrar.
Confiando que as pessoas aqui mencionadas virão ler o post, vou escrever pessoalmente, se não vai ficar uma coisa totalmente egocentrica! hahaha...
Bom, tudo foi desencadeado quando eu comecei a ouvir uma mùsica do Zé Ramalho que sempre tocava no Subsolo, meu refugio de toda santa quarta feira, junto como minha amiga Lailet e o povo do Direito. Passar antes da aula pra comprar o convitinho, ir pra casa da Lívia carioca fazer concentracao e ir pra la dançar até as 5 da manha pra depois ir que nem um zumbi pro judô! O 'amigo' nem perguntava mais nosso nome pra colocar na comanda! Alias, a gente passou umas boas juntas, né Lailet. Até dos Borgs eu lembrei! Nico Loco, Quilombra, as festas na Carraspana! Nuss, como a gente voltava bebada daquela lonjuuuura!? (PS: tive que voltar pra falar do nossa super criaçao NatiLetLemon! Delicia, criaçao super sofisitcada que ainda nos renderá lucros infinitos no dia que a gente decidir abrir um buteco aqui nas Zoropa, Lailet! Todos os direitos são reservados.)
E as festas do judo, que alem da Lailet, tinha ainda a Lili e a Jaque. Voltar a rua dos Passos inteira falando da Divina Comédia de Dante, inventar novo golpe de judô, morrer de rir da Carolzona imprenssando o Thiago no fogão do sítio! E a primeira festa na casa do Pedro? Ravel surfando de meia no muro de arrimo, a gente pedindo caixa de cerveja extra e depois fazendo macarrao na república dos outros sem nem pedir permissao. Festas do judo me deram prejuizo, arranhoes, glicose (primeira e única!), amores mal resolvidos, muita Brahma gelada e diversão!
E como não lembrar da nossa fatídica ida a Cachoeirinha? Essa vou ter que descrever pra quem nao estava la pra ver. Vamos nós, numa festa a fantasia numa 'buatchi' de telha de zinco chamada DP, onde se pagava simbólico 1 real pra entrar. Todas fantasiadas, Jaque, Lili, Fernanda, Amanda, Flávia e eu. Só que a fantasia não era obrigatoria, entao eramos nos 6 e, tipo, uma joaninha... só. A Jaque tava de boboleta, a Lili acho que de cigana, Flavia de nadadora,  Amanda de odalisca, eu de boneca e a Fernanda de enfermeira sexy. A Fê tiha muita sorte de ser legal, do contrario, ele seria excluida do grupo, pelo simples motivo que sair com mulher bonita demais é prejuizo pras outras, ainda mais quando ela esta usando corpete, cinta-liga e uma saia de um palmo! So dava ela, nada pra gente. Como a gente perde a autoestima mas não perde a piada, sobrou beber o uisque do nosso amigo velho rico e apostar quem beijava o mais feio da festa. Como os feiosos sempre foram minha preferência, não foi dificil levar essa. O que eu perdi foi metade da unha do dedao do pé, até hoje não sei como.
Dentro de Viçosa, os lugares mais propicio de terça a domingo eram os arredores do Leão. Na quinta feira, primeiro o chorinho no Roberto e depois Leão, nao sem antes uma passadinha na sinuca. Xuxu, lembra aquele dia historico que a gente tirou umas 5 duplas na sinuca, incluindo o Chicao e o Rafa? Nosso taco era de ouro naquela noite! hahaha... Se for pra jogar hoje eu so passo vergonha, parceira... A mesma turminha das festinhas alternativas. A Julinha me carregando depois de um dia exaustivo no SIC pra tomar cerveja no João e comer ovinho de codorna, claro! A 'uma cervejinha' so pra desestressar foi morrer num zouk la no Salivão! Lembra aquela festa que fizemos na casa do Lucas? Todos os bg's mais lindos de Viçosa no pedaço! Luiza, minha fiel companheira estava la babando em parceria! Programas mais comuns para a noite: Leão e depois no nosso finado Salivinha's. Aiai.. quantas vezes a gente nao passou pelas bandas so pra tomar uma rapidinha que durou de 11 da noite ate as 7 da manha do dia seguinte? A gente arrastando asa pros nossos dois falecidos enquanto o Ed filava nossa cerveja. E o dia que eu beijei o primo It sentada no meio fio do bar do Fernando? Ai Luiza, voce tinha que ter me arrastado pelos cabelos e trancado no banheiro pra não passar por uma vergonha publica dessas. Minha reputaçao ficaria manchada pra sempre...
No campus, a Loris era minha mais frequente cia. Desde as sopas escaldantes do RU as 5:30 da tarde, ate me emprestar a cama dela pra fazer uma sesta rapidinha (de 2 horas de duração), ou programas mais cults. Amiga, ainda não consigo imitar seu bolo de laranja com aquela caldinha. As perseguiçoes dos amores platônicos e as comidas vegetarianas na casa do Silas. Ai meu Deus, lembrei daquele antro que era a Boca de Leite! O guarda roupa do Dallas sendo substituido por um colchao, beber cerveja numa leiteira de café e encontrar um piolho de cobra que mais parecia um parente distante da anaconda no banheiro (junto com a lendária advertência do Lei: 'Quando ficar amarelo, puxe a cordinha!') ainda me fazem ter pesadelos.
Passando para as comidas, varias delicias tivemos por la. Os sucos de laranja que pareciam de morango mas eram de abacaxi do Chaves, o frango dinossauro e o purê de salmonela que ja levou metade do campus pro hospital (exceto o Duda, que diga-se de passagem, comeu o dele e o de mais 3 pessoas naquele dia). Nao vou falar do doce de leite Viçosa que ja virou lenda ha muito tempo. Comer pastel na feira!!! Isso eu ja fiz pelo menos uma vez com cada uma das pessoas mencionadas acima. Era a minha delicia favorita de Viçosa, junto com o feijão do RU e o sorvete de manga da sorveteria Creoula da rodoviaria. Posso viver 100 anos que não vou me esquecer daquele sabor de 'anjos derretidos pelo orvalho da manhã'. Nao há Häagen-Dazs  no mundo que possa competir com aquele sorvete!
Tá bom, não vou escrever mais, se não vai ficar um post gigantesco que ninguem vai ler, mas ainda há muito o que ser relembrado. Dá um misto de alegria, dor no peito e não sei o que. Ri muito relembrando de tudo, mas confesso que também chorei um pouco. Solidão não existia, nem responsabilidades de gente grande. Não quero mais voltar pra lá. Agora as pessoas são outras, os garçons, os bares, as ruas, os cheiros... A vida segue seu rumo e eu fiquei velha demais pra tudo isso. O que não significa que eu esteja infeliz agora, tudo tem seu tempo... Mas tem uns 'tempos' que poderiam durar um pouquinho mais... 




'Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue.' (Adriana Falcão, Mania de Explicação).

3 comentários:

  1. Ai amigaaaaa!!! Não deu pra nao chorar claro!!! Da uma saudade gigantesca ne??? e vc nem falou do NatiLeti lemon!!!!kkkkk

    E que nesse dia da divina comedia a gente brigava sem parar e a paty tentava separar!!! E o dia que vc falou que eu tava ridicula no niver da marina e eu e a Su começamos a chorar sem parar e brigar contigo??? kkk

    Muita historias!!! Saudades sempre!

    Laila

    ResponderExcluir
  2. Poxa, espero que seus amigos citados leiam essa linda declaração aos tempos passados. Eu sempre digo, faculdade foi a melhor fase da minha vida, a que eu vivi melhor e sei muito bem desse sentimento que vc tem. N tenho vontade de voltar pra la, pois nunca sera mais a mesma coisa e nem os mesmos amigos!!! E sim tudo que é bom passa depressa demais

    ResponderExcluir
  3. Ahhhhhhhhh Nati, eu só li agora amiga. Que lindo isso, feliz de nós que temos esses momentos pra ter saudades, dá uma pena de quem não tem saudades de nada que deixou pra trás...

    Beijão, to chegando logo mais.

    ResponderExcluir

Pin It button on image hover